Seja bem vindo! Hoje é terça-feira, 17/10/17

Farol e Pier de Morro de São Paulo Nascer do Sol em Praia de Guaibim Vista aérea Praia da Ponta do Curral - Guaibim


Área de Proteção Ambiental de Guaibim

1. Apresentação

A Área de Proteção Ambiental – APA Guaibim – criada pelo Decreto Estadual n°. 1.164, de 11/05/92, está  localizada no Distrito de Guaibim, município de Valença-Ba, entre o Rio Jequiriçá e a Ponta do Curral, e abrange uma área de 2.000 ha. que conta com 20 km de litoral. É uma área regida por legislação especial, com zoneamento definido e regulamentado por lei. Sua criação foi fundamentada pela necessidade de preservação de uma extensa planície litorânea, com ecossistemas de restinga e manguezais, faixas de praia, brejos e remanescentes de floresta ombrófila, além do aumento do processo de ocupação da área litorânea da região. A fauna, assim como a flora possui grande diversidade de espécies silvestres.

2. Características Gerais

A APA Guaibim, está localizada numa região que apresenta clima quente-úmido. As belas e desertas praias estão associadas a ecossistemas como restinga, manguezais e brejos. O solo local apresenta baixa fertilidade natural, pois é muito arenoso, quando não, apresentam diversas áreas alagadiças, dificultando a agricultura como base para comércio local. A região de manguezal apresenta muita influência antrópica, e algumas áreas estão visivelmente degradadas. Lembramos que a função de se criar uma Área de Proteção Ambiental – APA – é com objetivo conciliar a preservação dos recursos naturais e o crescimento sócio-econômico local.

3. Aspectos Bióticos

3.1 A Flora

A Flora da APA Guaibim, é dependente visivelmente do relevo, variando de vegetação de brejo, em áreas inundáveis, situada nas depressões e uma vegetação de restinga encontrada nos topos da planície. Espécies como o mangue vermelho (Rizophora mangle) são encontradas em região de manguezal, intermediário entre o rio e o mar. Em uma pequena área da APA, pode-se encontrar espécies encontradas na Mata Atlântica como a maçaranduba (Manilkara sp.). Ingás, palmeiras e dendê participam desse cenário de ricas espécies da nossa Flora.

3.2 A Fauna

Apesar das freqüentes agressões exercidas pelo homem, a fauna ainda encontra-se bastante representativa. Principalmente quando se fala de aves, como o Bem-te-vi (Pitanguis sulphuratus) e o Sofrê (Leterus icterus), além de muitos outros como socós, pica-paus, gaviões e patos selvagens. A região ainda abriga animais de maior porte como tatus, veados, pacas, além de répteis, como o teiú e muitas espécies de cobra.

4. Comunidades

Essa região teve grande presença na história do País, na época Colonial, a porção sul da APA era local de desembarque de gado provindo de Portugal e, ali, permaneciam de quarentena. Devido à isso, essa localidade ficou conhecida como Ponta do Curral. Então, deu-se ao início de ocupação das terras por pequenos latifundiários. Hoje, A APA apresenta uma comunidade constituída de pescadores, alguns latifundiários, e apresentam, em grande parte, pessoas que vivem do comércio de mariscos, assim como a maricultura, que é muita acentuada na região. O interesse ambiental da população, ainda é um grande desafio para a administração da APA. Novas técnicas para educação ambiental serão implantadas para uma maior participação da comunidade local.

5. Conflitos Ambientais

A fragilidade do ecossistema é um aspecto que está relacionado com o potencial natural de recuperação da área degradada. O homem agride de forma, às vezes, inconsciente, o meio ambiente, trazendo então, mínimas possibilidades de recuperação de algumas áreas e consequentemente, extinguindo espécies da flora e da fauna, ou até mesmo um tipo de ecossistema encontrado em determinada região. Algumas agressões, que favorecem a quebra na harmonia natural da APA Guaibim, são: desmatamento, uso e ocupação desordenada do solo, especificamente na região litorânea e nas margens dos rios, além da poluição, decorrente de ineficiente saneamento básico. A pesca predatória é outra questão que é freqüente no local, especificamente, a pesca com rede de malha fina que mata espécies de diferentes estágios de desenvolvimento, alterando assim o número normal de indivíduos de várias espécies, causando um desequilíbrio ecológico.

6. Zoneamento

A partir do cruzamento dos levantamentos dos fatores ambientais, físicos, bióticos e antrópicos, foram definidas 10 zonas ambientalmente homogêneas, são elas:

ZPVS – Zona de Proteção da Vida Silvestre; ZPR – Zona de Proteção Rigorosa; ZPV – Zona de Proteção Visual; ZOM – Zona de Orla Marítima; ZOR – Zona de Ocupação Rarefeita; ZUR – Zona de Urbanização Recente; ZOP – Zona de Ocupação Programada; NUC – Núcleo Urbano Consolidado; ZEP – Zona de expansão Prioritária; ZES – Zonas de expansão Secundária.

Essas Zonas foram estabelecidas com coerência na necessidade de preservação da beleza e recursos naturais, assim como organizar o espaço para o crescimento sócio-econômico da população.

7. Como Visitar

Lembrando, que sempre ao visitar as Áreas de Proteção Ambiental, é preciso uma colaboração de todos para que o ambiente sempre continue harmonioso. Leve sempre o seu lixo de volta. O Meio Ambiente agradece!

Foz do Rio Jequiriçá

Ponta do Curral

Restinga Herbácea

Restinga Herbácea

Floresta atlântica

Floresta atlântica

Lagoa Mambucabo

Lagoa Mambucabo





Publicidade













 

Copyright 2011/2015 - GuaibimTur - Todos os direitos reservados. É totalmente proibida a cópia total ou parcial desse site.
E-mail contato: guaibimtur@hotmail.com